quinta-feira, 9 de novembro de 2017

NOTÍCIAS DE LUANDA set a nov 17


NOTÍCIAS DE LUANDA


Setembro a Novembro de 2017
Ano III


Luanda, novembro de 2017.


Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás. Reparte com sete e ainda com oito, porque não sabes que mal sobrevirá à terra… Quem somente observa o vento nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará… Semeia pela manhã a tua semente e à tarde não repouses a mão, porque não sabes qual prosperará; se esta, se aquela ou se ambas igualmente serão boas. Ec 11.1,2,4,6



CLIQUE AQUI E VEJA O TEXTO COMPLETO COM LINDAS FOTOS!


Almoço surpresa



 
No início de setembro os amados irmãos da INSEJEC Zango prepararam uma surpresa: no domingo, após o culto, ofereceram um almoço em razão de meu aniversário. Houve muito preparo e segredo de sorte que não percebi a natureza do evento. Ao final do culto, preparam mesas decoradas na quadra do CEDUC, trouxeram as comidas de suas casas e o lindo bolo-bíblia. Foi uma grande demonstração de amor que nos aqueceu e muito nos alegrou.



CLIQUE AQUI E VEJA O TEXTO COMPLETO COM LINDAS FOTOS!

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

NOTÍCIAS DE LUANDA - Maio a Agosto de 2017

NOTÍCIAS DE LUANDA


Maio a Agosto de 2017
Ano III


Luanda, setembro de 2017.



E as crianças de colo, que vocês acharam que seriam tomadas como despojo de guerra, essas que ainda não sabem distinguir o certo do errado, elas é que entrarão na terra. Sim, seus filhos pequenos serão os novos proprietários da terra que prometi, não vocês. Dt 1.39 – (Bíblia AMSG)



No Brasil

Em meados de maio fomos para o Brasil para um pretenso período de descanso. Passamos a cumprir os compromissos nas igrejas, visitas aos parentes, amigos, médicos, exames, além do casamento da sobrinha. Na verdade, foram dias de intensa atividade.

Clique AQUI e leia TODO o ARTIGO




quinta-feira, 4 de maio de 2017

Resgate Imediato em Viana

Resgate Imediato em Viana


Como Deus nos livrou de uma “punga” em Angola

Joubert de Oliveira Sobº





Saímos eu e a Inez naquela tarde, 20 de abril de 17, a fim de encontrar um colar cervical do tamanho certo. O torcicolo dela custava a ceder. Era preciso imobilizar o pescoço de maneira definitiva. O colar anterior era desconfortável e de tamanho médio. Ela precisava de um pequeno.

Resolvemos ir a um centro comercial melhor servido de farmácias. Mas, devido a obras na Via-Expresso, desistimos de ir à Talatona e fomos para Viana. Ao entrar no bairro começamos a parar em cada farmácia. A maioria não tinha o colar. As que tinham eram do tamanho grande. Insistimos até que paramos na avenida central de Viana, numa farmácia no quarteirão ao lado da Repartição de Educação - a administração regional das escolas. Paramos à direita e a farmácia ficava do lado esquerdo da avenida de duas pistas.

Aquela farmácia central também não tinha o colar procurado. Ao voltar para o carro, atravessamos a primeira pista. A Inez estava à minha esquerda e, ao atravessar a segunda, fui abordado pela direita por um rapaz que se movia de forma estranha, com os braços descoordenados, além disso gritava como um anormal. Começou a se aproximar de mim. Preocupei-me com a pasta que estava na mão esquerda. Abri rapidamente o carro e a joguei para dentro fechando logo em seguida. Ele, por sua vez, se achegou ao meu corpo dizendo:

– Olha aí, vou lutar com você; quer ver?

O que aconteceu em seguida demorou-se a ser processado em minha mente. Eu não conseguia entender a finalidade do maroto que, posicionado em meu lado direito, abaixou-se e pôs a mão direita em minha perna, empurrando-me com a lateral do corpo, com se fosse me dar um golpe infantil, sem maiores efeitos em meu equilíbrio. Eu não via lógica na ação dele. Ao perceber a invasão de meu espaço vital, levantei meu braço e minha voz, ordenando que se afastasse e não encostasse em mim.

– Tire as mãos de mim! Não encoste as mãos em mim!

Posicionei-me para enfrentá-lo e empurrá-lo. Ele deu passos para trás e chegou à calçada, olhando para a Inez que já entrava no carro com pressa e trancava a porta.

Enquanto eu ralhava com o rapaz, ouvi por detrás de mim, uma voz grave que falava duro também com o vadio. Ao me virar vi um jovem negro, musculoso, com camisa do time local 1º de Agosto - parecida com a do Flamengo - , bermuda e chinelos:

– Agora você está aqui? Vai embora daqui agora. Já mandei sair. Chega!

Enquanto repreendia o malandro sem o deixar falar, pegou-o pelos braços e começou a empurrá-lo à força para o meio da pista a fim de levá-lo para o outro lado da avenida, passando ambos por detrás de mim, que me encontrava ao lado da porta do motorista. Ainda atordoado e sem entender o que acontecia, percebi que o insolente cedia à pressão do jovem com certo temor. Embora tentasse resistir, o malandro argumentava que estava apenas brincando comigo e que eu havia deixado cair algo. Ao dizer isto, sob a pressão do jovem que o empurrava, levantou a mão esquerda em minha direção, como se mostrasse o que me havia tomado.

Na mão esquerda dele estava um pequeno pacote com mais de 20.000 kz, (notas de dinheiro angolano) e dois cartões: um azul, Multicaixa (cartão de banco) e um vermelho, de um supermercado. Era tudo que eu carregava no fundo de meu bolso direito. Estendi rapidamente a mão e alcancei o pacotinho que ele mostrava na intenção de provar que não teve má-intenção…

Apatetadamente surpreso, abri a porta e entreguei para a Inez o dinheiro e os cartões, tentando entender o ocorrido. Eu havia sido “pungado” em Angola, como fazem os melhores praticantes dessa modalidade de delito no Brasil, e nem me dei conta. Enquanto isto, ambos atravessavam a rua. O jovem empurrava e o assaltante que, andando de costas, se esquivava. Entrei no carro e ao ligar o motor, vi o jovem com a camisa igual a do Flamengo, passar do outro lado da avenida em sentido contrário. Nossos olhos se encontraram. Quando pensei em agradecer-lhe ou, ao menos, acenar um positivo com o polegar, olhei novamente e ele sumiu entre os pedestres. Não tive tempo para agradecer-lhe nem perguntar seu nome. Embora sem nenhum tipo de previsão, excessivamente ingênuo e alheio ao que me ocorria - tipo ovelha diante do lobo - fui resguardado de um grande prejuízo. Nada foi perdido. Tudo foi resgatado. Saí dali e demorei para digerir o acontecimento.

Quem era aquele jovem que interferiu no exato momento? Seria uma jogada dupla tipo, um assalta e o outro empurra para levar embora mais rapidamente o despojo e dividir depois? Se assim fosse, o maroto não devolveria, sob pressão, o que sorrateiramente tirou de meu bolso, tendo eu completa inconsciência de que tinha me furtado. Imaginei que fosse um policial à paisana que já conhecia a peça rara do vadio e, ao vê-lo me abordar, resolveu interferir e impedi-lo. Esta possibilidade se torna mais relevante quando se ouve que, é comum por aqui, policiais evitarem interferir em favor de cidadãos que são abordados na rua por assaltantes.

Outra possibilidade, de cunho sobrenatural, seria que o jovem, com camisa semelhante a do Flamengo, fosse um anjo que Deus enviou para interferir em nossa defesa e resgate. Eu não duvido. Admira-me mais a camisa do 1º de Agosto como disfarce angelical. A experiência na obra de Deus mostra que não há coincidência sem propósito; concretizando a verdade dita à séculos pelo apóstolo Paulo: “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito”, Romanos 8.28.

Duas coisas eu concluí com certeza: a primeira é que os espíritos malignos estão insistentemente no nosso pé. A segunda é que Deus está conosco, sem nenhuma dúvida.


sábado, 15 de abril de 2017

NOTÍCIAS DE LUANDA fevereiro à abril de 2017

NOTÍCIAS DE LUANDA 
Fevereiro à abril de 2017
Ano III

Luanda, abril de 2017.

Inesperadamente, Jesus irrompeu numa oração: “Obrigado, Pai, Senhor do céu e da terra! Escondeste teus caminhos dos eruditos e sabichões e os revelaste às criancinhas. Sim, Pai, esse é o teu modo de agir”. Mateus 11.25,26 (BMSG - adapt.)

Reunião de pais e comissionamento da equipe para 2017

As atividades escolares começaram com a Reunião de Pais e Comissionamento da Equipe do CEDUC no primeiro dia de fevereiro. Pais e encarregados se mostraram dispostos a participar ativamente da vida escolar de seus filhos. Em 2017, em ambos os turnos, o CEDUC atende a quase 500 alunos. A construção de novas classes já está planejada a fim de atender a demanda do ano seguinte.



Leia o artigo completo clicando no link abaixo
Notícias de Luanda Fevereiro à abril de 2017


Cultinho, Flanelógrafo e Cia



Todos os domingos o Cultinho Mona Nzambe (Criança de Deus) da INSEJEC acontece. É um evento que já faz parte da rotina das famílias do bairro. Durante a semana as crianças nos cumprimentam nas ruas ansiosas pelo domingo. Só Deus sabe os efeitos dessa semeadura semanal da Palavra de Deus em 200 corações (em média) destes pequeninos angolanos.

Leia o artigo completo clicando no link abaixo
Notícias de Luanda Fevereiro à abril de 2017